Menina descobre nova espécie de pterossauro

Reforçando a ideia de que a observação é algo a ser desenvolvido em nossos alunos, destacamos a notícia veiculada no dia de hoje: a menina Daisy Morris que hoje está com nove anos,  encontrou ossos fossilizados na  praia de Atherfield, que fica na Ilha de Wight, no sul do Reino Unido. A família da criança encaminhou os achados para a universidade  de Southampton que após quatro anos de estudos, concluiu que os ossos pertenciam a  uma nova espécie de pterossauro, batizada em homenagem à sua pequena descobridora de Vectidraco daisymorrisae.

355265-vectidraco-daisymorrisae

Imagem disponível em: http://www.ibtimes.co.uk/articles/448283/20130320/dinosaur-isle-wight-university-southampton-vectidraco-daisymorrisae.htm 

Conteúdos específicos sobre dinossauros geralmente não constam do currículo convencional, no entanto, por seu alto grau de interesse esse assunto pode ser abordado junto aos conteúdos referentes a répteis ou ainda quando da explicação dos mecanismos de formação dos fósseis.

Sobre esse assunto, há vasta literatura que pode auxiliar na compreensão do que foram esses animais que geram tanto interesse. Resumidamente podemos afirmar que eles eram répteis, e seu registro fóssil inicia há cerca de 200 milhões de anos. Os mais antigos fósseis de dinossauros foram encontrados na região hoje ocupada pela América do Sul, especialmente no Rio Grande do Sul e na Argentina. Dinossauro é o nome genérico dado aos répteis terrestres, os animais alados são identificados como pterossauros. Houve também diversas espécies que habitavam os mares (ictiossauros e plessiossauros, entre outros).

Durante mais de 135 milhões de anos esse animais evoluíram e se diversificaram, o grande número de espécies já identificadas é somente uma amostra da biodiversidade total, pois fósseis se formam raramente e encontrá-los depende, muitas vezes, do acaso.

Os alunos têm questões curiosas sobre o tema, como por exemplo: como é possível saber a cor daqueles animais?

A resposta é simples: não dá para saber com exatidão, mas, tomando por exemplo répteis e outros animais que vivem nos dias atuais é possível imaginar como seriam os animais do passado.

Aproveitando esse tema, gostaria de sugerir algumas atividades que podem tornar o conteúdo mais lúdico.

Atividade 1

Formação de rochas sedimentares

Fundamentação: é nas rochas sedimentares que são encontrados os fósseis. Uma rocha sedimentar se forma pelo acúmulo sucessivo de camadas de sedimentos. Seres vivos aprisionados entre essas camadas podem sofrer transformações que levam à formação dos fósseis.

Material:

–  garrafa pet transparente da qual foi cortado o gargalo; areia; argila; pedinhas de tamanhos variados; água.

Oriente os alunos para que coloquem água na garrafa e depois adicionem quantidades variadas de areia, argila, pedrinhas e em seguida deixem a garrafa em repouso até o material se depositar no fundo. Peça que observem as diversas camadas que se formaram e desenhem suas observações. Peça que eles comparem suas observações com as ilustrações abaixo, onde se procurou mostrar o processo de fossilização. Enfatize que esse processo leva milhões de anos para acontecer.

Imagem

ilustração em http://dinoswebs.webs.com/fossilisation.htm

Atividade 2

Produção de molde

Material:

massa de “pão fóssil” (receita baixo); papel manteiga; modelo para fazer o fóssil (conchas, folhas rígidas, escamas de peixe, penas); tintas e pincéis.

Cada aluno recebe um pedaço de papel manteiga e uma porção de massa para fazer uma bolinha do tamanho de uma bola de ping-pong. Oriente que eles pressionem a bolinha de massa sobre o papel manteiga, fazendo um círculo achatado. Em seguida peça que pressionem sobre a massa o material que servirá de molde. Remover como cuidado esse material. Observar o molde que se formou. Procurar relacionar a atividade ao processo natural de formação de fósseis do tipo molde. Deixar a massa secar e, se desejar, orientar a pintura  do  molde produzido.

Receita para massa:

1 copo de amido de milho; 2 copos de bicarbonato de sódio; 1 1/4 copo de água fria.

Misture todos os ingredientes e leve ao fogo médio mexendo sempre por 4 minutos aproximadamente, até a mistura engrossar. Tire do fogo e coloque a massa sobre uma superfície lisa. Cubra com um pano úmido até amornar. Sove um pouco como massa de pão. Modele as esferas. Guarde em refrigerador em recipiente hermético ou em saco plástico, até o momento do uso.