Há milhares de anos os seres humanos fazem uso dos recursos naturais disponíveis em nosso planeta, no entanto, nos últimos séculos a exploração destes recursos e a ocupação do solo vem se acentuando, o resultado é a perda de parte da fabulosa biodiversidade existente na Terra.  Para que os alunos compreendam o significado do termo biodiversidade e como ela se relaciona aos diferentes ambientes, podemos realizar atividades simples, como por exemplo pedir que cada um desenhe em seu caderno uma folha. Depois podemos verificar e até expor rapidamente os desenhos produzidos.  Muito provavelmente ,a maioria dos desenhos terá a representação padrão usada na maioria dos livros didáticos, em que a folha tem um formato semelhante a essa da fotografia abaixo.

Imagem

                                      Esta por sinal  é uma folha de laranjeira.

Agora podemos questionar se em uma breve expedição pelo pátio da escola, ou em um terreno baldio, praça ou parque, será fácil encontrarmos folhas semelhantes (no formato) com essas que foram desenhadas. Se possível, leve os alunos a observar folhas presentes nas plantas do entorno da escola.. Peça que observem as folhas encontradas e as desenhem (ou fotografem. Foi fácil encontrar “folhas com formato de folhas”?

Provavelmente, foram encontradas muito mais folhas com formatos e cores diferentes., já que a diversidade de formas desses órgãos das plantas é muito grande. Veja alguns exemplos:

ImagemImagemImagemImagemImagemImagemImagemImagem

Agora que os alunos constataram a grande variedade de formas de limbos, podemos usar esse  fato para abordar o tema biodiversidade, enfatizando que a variedade de organismos existentes na Terra é muito grande e que não há nada parecido em nenhum outro planeta do sistema solar. Se desejar aprofundar a discussão sobre a diversidade das folhas, sugira aos alunos uma pesquisa sobre folhas modificadas como as folhas das plantas carnívoras ou sobre folhas que atuam na proteção das estruturas reprodutoras (flores) e na atração de insetos polinizadores, as brácteas, presentes em plantas como a poinsétia ou bico-de-papagaio –  Euphorbia pulcherrima; ou ainda  nas bougavíleas também conhecidas como primavera – Bougainvillea spectabilis, Bougainvillea glabra.

Questione os alunos sobre a importância das folhas para as plantas e para os seres vivos em geral. Na maioria das plantas, as folhas são os órgãos  responsáveis pela realização do fotossíntese, função pela qual em presença de luz solar,  a planta retira dióxido de carbono do ar atmosférico e promove uma reação com a água, gerando gás oxigênio (essencial à respiração da maioria dos organismos) e glicose, um composto que armazena muita energia e serve de alimento para as plantas e para os organismos que se alimentam delas.

Em muitas plantas, a glicose não utilizada durante a respiração celular fica armazenada na forma de amido em depósitos (os amiloplastos) que, conforme a espécie, podem estar localizados nas raízes, sementes, caules ou frutos.

Esse alimento que  a planta não vai utilizar imediatamente, pode ser a fonte de energia para animais, fungos e microrganismos, assim, áreas com grande vegetação também apresentam grande variedade de outros seres vivos.

O conjunto de flora e fauna de uma região constitui um bioma. No Brasil, temos alguns grandes biomas, todos caracterizados por grande biodiversidade. As inúmeras espécies que habitam nosso território ocupam: o cerrado, a caatinga, a amazônia, a mata atlântica, o pantanal e os campos – costeiros e sulinos (mapa IBAMA).

Imagem

Cada um dos biomas  tem vegetação característica que não raro mostra suas peculiaridades nas folhas das plantas que ali vivem.

Uma das regiões com maior biodiversidade do planeta, é Mata Atlântica que já estendeu da costa do Rio Grande do Sul às regiões costeiras do Piauí, e que hoje se encontra seriamente ameaçada pela ocupação urbana do solo.

Estudo feitos com as vegetações residuais da mata original identificaram mais de 20 mil espécies de plantas (sendo 8 mil endêmicas, isto é, exclusivas dessa formação). Essas plantas ocupam todos os extratos da mata, inclusive  muitas crescem sobre as grandes árvores sem prejudicá-las, são plantas epífitas que apenas se apoiam sobre elas. Fazem parte deste grupo, as orquídeas e bromélias, cujas folhas geralmente são bem grossas.

Bromélias-3 Orquídea - subida Caratubva

Na caatinga, muitas plantas perdem as folhas nas estações secas, outras possuem folhas pequenas e duras e há ainda aquelas que têm folhas transformadas em espinhos, o que reduz a perda de água.

ImagemImagemNo cerrado, predominam formações de campo, com gramíneas e árvores esparsas frequentemente com tronco e galhos retorcidos e de casca escura.

Imagem

A amazônia se caracteriza pelo grande volume de chuvas e temperaturas altas. Plantas com  lâminas foliares (limbo) muito grandes são frequentes.

Imagem

A vegetação dos campos sulinos se caracteriza por ervas e arbustos. As gramíneas são as espécies com maior número de indivíduos.

Pampas gaúchos - Cruz Alta a Santana do Livramento-6