Um estranho fenômeno foi observado no lago Natron, na Tanzânia.

Imagem mapa em http://news.bbc.co.uk/2/hi/africa/6292434.stm

O lago tem características únicas, suas águas muito quentes chegam a 60 graus e são extremamente alcalinas, com pH entre 9 e 10,5, que é mais alto do que o pH da amônia, por exemplo.

O nome do lago, Natron, está relacionado a um composto muito abundante em suas águas, o natrão, uma substância natural formada por carbonato de sódio decahidratado hidratado ( Na2CO3. 10 H2O), bicarbonato de sódio (NaHCO3) e pequenas quantidades de cloreto de sódio (NaCl) e sulfato de sódio (Na2SO4) . O natrão era usado pelos antigos egípcios  no processo de mumificação, pois ele provoca a desidratação dos corpos e cria um meio em que as  bactérias decompositoras não conseguem atuar.

Por todas essas características, pouquíssimos seres vivos conseguem sobreviver ali: há cianobactérias, algas, pequenos invertebrados,  tilápias (Alcolapia alcalica) e mais de 2,5 milhões de flamingos da espécie Phoenicopterus minor que ali encontram alimento abundante e ausência de predadores.

Imagem  foto em http://en.wikipedia.org/wiki/Lesser_Flamingo

O lago Natron é o principal local de nidificação dos flamingos desta espécie. O lago lhes oferece alimento, mas  também água doce e matéria prima para a construção dos ninhos. Cada ninho é um cone de argila sobre o qual é feita a postura dos ovos.

Imagem foto em http://www.fredhoogervorst.com/photo/00158/

A presença destes seres vivos em ambiente tão hostil é surpreendente. As pesquisas para identificar os mecanismos adaptativos que permitem sua sobrevivência, ainda não encontraram todas as respostas às perguntas que os pesquisadores fazem.

Recentemente, o fotógrafo Nick Brandt, transformou em fotos artísticas um fenômeno extraordinário observado naquelas águas. Ao longo da costa do lago, ele encontrou corpos  de pássaros e morcegos que haviam sido preservados e pareciam delicadas esculturas de pedra. O fotógrafo retirou os corpos da água e colocou-os em posições próximas aquelas que eles fariam quando vivos. O resultado foram fotos surpreendentes.

Imagem foto Nick Brandt em http://www.newscientist.com/article/mg21929360.100-deadly-lake-turns-animals-into-statues.html#.UkypONKsjK4

Não há uma explicação sobre o motivo da morte dos animais e nem sobre os complexos processos químicos que levam à esta forma de preservação  dos corpos.

Professor: o tema pode ser abordado para ilustrar os conteúdos relacionados a pH ou aos tipos de ambientes extremos e sobre o fato de que alguns organismos conseguem sobreviver em condições tão adversas.