Os insetos constituem um grupo de artrópodes muito numeroso e diverso, caracterizado entre outros detalhes, por apresentar três pares de patas. Estima-se que cerca de metade do seres vivos já identificados sejam insetos.

Além da diversidade de formas, os insetos também apresentam grande variedade de comportamentos, destacando-se  a capacidade de  algumas espécies viverem em sociedade.

São exemplos de insetos sociais: as abelhas, os cupins e as formigas.

Em uma sociedade os animais dividem tarefas, de modo que o trabalho individual é somado para garantir a sobrevivência do grupo.

As tarefas são feitas por diferentes grupos (castas) a quem competem atividades bem delimitadas. Assim, há soldados, operários, rainhas e machos reprodutores.

Soldados defendem os ninhos. Operários fazem todas as atividades de manutenção da colonia (vamos usar a definição de colonia encontrada em diversos dicionários: conjunto de indivíduos da mesma espécie vivendo em um determinado local), como, construção e limpeza do ninho, obtenção de alimento e cuidados com os ovos e larvas. Machos reprodutores  e rainhas têm a função de gerar novos descendentes.

Entre as abelhas, há três castas: operárias, zangões e rainhas.

Zangão - rainha - operária

Zangão – rainha – operária

ilustração em http://www.state.nj.us/dep/parksandforests/forest/bees.html

As castas de cupins são formadas por operários, soldados, rainhas e indivíduos  alados. Rainhas e indivíduos alados  saem dos  ninhos e fazem vôos nupciais. Retornando ao solo, esses indivíduos formam novas colonias. Durante anos, a rainha  faz a postura dos ovos que irão dar origem a todos os indivíduos da colonia. Para isso, o abdômen da rainha  cresce desproporcionalmente e ela já não consegue se movimentar e precisa ser cuidada pelos operários, que a limpam e alimentam.

Indivíduo jovem alado - rainha adulta - soldado - ninfa (forma jovem imatura) - sodado

Indivíduo jovem alado – rainha adulta – soldado – ninfa (forma jovem imatura) – sodado

Ilustração em http://www.ctahr.hawaii.edu/termite/forthepublic/abouttermites/index.html

Entre as formigas, encontramos machos alados, rainhas, operários e soldados.

rainha - macho - operário - soldado

rainha – macho – operário – soldado

Ilustração em http://academic.reed.edu/biology/courses/BIO342/2011_syllabus/2011_websites/NAEwebsite/Phylogeny.html

Em todos esses grupos de insetos sociais, há espécies que constroem complexas moradias para a colonia.

Colmeias de abelhas com seus favos hexagonais feitos de cera, são bastante conhecidos.

Os favos hexagonais armazenam o mel e abrigam as larvas em processo de crescimento.

Nos favos hexagonais as abelhas armazenam mel e mantêm abrigadas as larvas em processo de crescimento.

Imagem em http://beespotter.mste.illinois.edu/topics/honey/

Os cupins constroem cupinzeiros que, em alguns casos, são imensos e além da parte subterrânea, se estendem vários metros acima da superfície do solo.

Cupinzeiro - com uma complexa estrutura subterrânea e acima da superfície.

Cupinzeiro – com uma complexa estrutura subterrânea e acima da superfície.

ilustração em http://systems11thurs.wiki.usfca.edu/MoayedJ

Cupinzeiro no Quênia.

Cupinzeiro no Quênia.

Imagem em http://www.swri.org/

Cupinzeiro em Darwin, Austrália.

Cupinzeiro em Darwin, Austrália.

Imagem em www.opl.ucsb.edu

Mas e as formigas? Todos conhecemos formigueiros e não raramente descobrimos a localização de um deles da pior forma: pisando ou sentando em cima. Mas como são os formigueiros por dentro? Qual a complexidade destas estruturas? Constituídos por galerias escavadas na terra, é muito difícil observar o interior de um formigueiro. Serão tão complexos quanto as colmeias e os cupinzeiros?

Para responder a estas e outras perguntas pesquisadores têm usado uma  técnica (muito invasiva, é verdade) que permite visualizar um formigueiro por dentro.

No endereço: http://www.youtube.com/watch?v=ozkBd2p2piU há um filme de poucos minutos onde podemos conhecer o interior de um formigueiro e avaliar sua estrutura. O filme é em inglês, assim, para facilitar a compreensão vou transcrever livremente a narrativa.

O filme inicia com a colocação de dez toneladas de cimento injetadas para o interior do formigueiro. Depois de algum tempo tem inicio a escavação que dura várias semanas e revela a megalópolis construída pelas formigas. Com a ajuda de máquinas, os cientistas removem toneladas de terra. Há vias subterrâneas conectando todo o complexo, inclusive os jardins onde são criados os fungos. A estrutura permite uma ventilação adequada e possibilita o deslocamento dentro do formigueiro. O desenho desse colosso  poderia  ter sido concebido por um arquiteto, no entanto, todo o complexo  foi construído pelo trabalho coletivo de milhões de formigas, que em conjunto, formam aquilo que costuma ser chamado de superorganismo.  A estrutura tem 50 metros quadrados e oito metros de profundidade. Para construí-la, a colonia movimentou 40 toneladas de solo. O esforço para esses minúsculos animais construírem algo tão grande é equivalente, em termos humanos,  à construção da muralha da China.

Professor: aproveite para discutir a divisão de tarefas nas diversas sociedades de artrópodes e questione o porquê  dessa associação ser favorável aos animais. Sugira a ampliação da discussão do tema por meio de pesquisas sobre as abelhas e os cupins.  Aponte a importância ecológica destes animais, como por exemplo:

1- abelhas: polinização;

2- cupins: reciclagem de matéria orgânica, especialmente da celulose, composto muito abundante, mas de dificílima digestão;

3- formigas: algumas espécies mantêm interações que favorecem a germinação e a multiplicação de plantas que aparentemente são “atacadas” por elas. As formigas auxiliam a manter o ambiente limpo, ao consumir insetos e outros animais mortos. Algumas espécies comem ovos de outros insetos, auxiliando a manter essas populações sob controle. Formigas são alimento de diversas espécies de aves e de mamíferos como o tamanduá. Ao cavar o solo, ajudam a arejá-lo e movimentam suas camadas, deslocando partículas para a superfície.